29 set
  • Por ASCOM CRDH

Movimento ‘Web Para Todos’ busca melhorar acessibilidade a pessoas com deficiência

Você já imaginou como atitudes simples, como comprar um ingresso de cinema ou pagar contas pela internet, podem ser um enorme desafio para algumas pessoas? Pensando nisso, entidades, empresas e universidades se uniram para criar o movimento Web Para Todos (WPT), lançado no último dia 20 no Google Campus São Paulo. A ideia é manter uma plataforma colaborativa que possa derrubar barreiras da acessibilidade digital.

O portal está aberto para receber contribuições dos usuários, que podem relatar suas experiências, positivas ou negativas, de navegação em sites brasileiros. Com esse material, a equipe irá analisar cada caso e encaminhar aos responsáveis para providências, se necessário. A cada seis meses, o Web Para Todos também deve disponibilizar uma avaliação de sites de instituições em um setor específico da sociedade.

Na primeira edição de testes, o tema escolhido foi Educação. As páginas das 10 melhores universidades e das 10 melhores escolas do ensino médio, segundo dados do governo federal, foram vistas por especialistas. Os resultados indicaram que 31,7% delas têm problemas na descrição das imagens e 21,7% não têm descrição de nenhuma das imagens. Cerca de 55% apresentaram falhas em parte dos links e 35% tinham parte dos elementos com tamanho inapropriado.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra por Domicílios (PNAD) de 2014, o percentual de pessoas com deficiência que usam com frequência a internet no país é de 57% – acima da média brasileira, que é de 54%. No entanto, a qualidade do serviço prestado está longe do ideal. Conforme levantamento divulgado pelo WPT, 95% dos sites no Brasil não são acessíveis como deveriam.

O movimento disponibiliza ainda uma seção para que organizações públicas e privadas entendam como adequar seus sites, contribuindo para a construção de uma internet mais inclusiva. A troca de conhecimento é possível por meio de cartilhas, vídeos, fóruns e outras atividades.

O Web Para Todos surgiu de uma ação conjunta entre o NIC.br / Ceweb.br, com auxílio institucional do W3C Brasil e parceria com entidades como Fundação Dorina Nowill, Fundação Fenômenos, Grupo de Ensino e Pesquisa em Inovação da Escola de Direito da FGV SP, Associação Laramara, Instituto Mara Gabrilli, Instituto Rodrigo Mendes, MATAV-Unesp, ONCB – Organização Nacional de Cegos do Brasil, ProDeaf, Santa Causa, Secretaria da Pessoa com Deficiência do Município de São Paulo, Singolla, Trama Comunicação, e com o apoio de mídia do portal Vida Mais Livre e da Revista D+.

Para saber mais, clique aqui.

Foto: Divulgação

Deixar um Comentário