23 abr
  • Por Administrador

Projeto Ecoar incentiva o protagonismo jovem em escolas públicas do DF

Com sorrisos, letras de rap compostas de
improviso, dinâmicas e rodas de conversa, alunos da rede pública de ensino do
Distrito Federal (DF) receberam, no dia 19 de abril, as primeiras oficinas do
“Projeto Ecoar: Protagonismo em Rede”, uma iniciativa da União Planetária (UP),
em convênio com o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos
e apoio da Secretaria de Educação do DF.

O projeto, lançado em dezembro de 2015, atuará
até novembro de 2016 em nove escolas e em uma unidade de cumprimento de medidas
socioeducativas do Distrito Federal (veja
quadro
). O objetivo principal é criar Núcleos de Educomunicação em cada
instituição, utilizando as ferramentas da comunicação e da educação para tratar
transversalmente a temática dos direitos humanos. Segundo Mayane Burti, Diretora
Executiva da União Planetária, o projeto “objetiva mostrar aos jovens caminhos
para atuação enquanto protagonistas da transformação social e da promoção e
defesa dos direitos humanos em suas comunidades. É uma ação de educação em
direitos humanos baseada na comunicação positiva e no incentivo à formação de
redes e ao protagonismo”.

As oficinas têm, como público prioritário, adolescentes entre 12 e 17 anos do ensino fundamental e médio de escolas públicas.
Trabalhando ferramentas de comunicação em oficinas de texto (criação e texto
jornalístico), rádio, design, audiovisual, montagem, redes sociais,
produção e fotografia, os oficineiros buscam formar, nos jovens, um senso
crítico em relação ao modelo de comunicação vigente, apresentando-lhes uma nova
proposta: a comunicação positiva na construção de uma cultura de direitos
humanos.

As primeiras oficinas contaram com intensa
participação, cerca de 100 inscritos. A partir das dinâmicas propostas, foram
realizados diálogos a respeito de temas relevantes, como: racismo,
identidade de gênero, preconceito, bullying, violência, direito à
moradia, saneamento básico, corrupção, entre outros.

As intervenções nas nove escolas e na unidade de
medida socioeducativa serão semanais e, ao final do projeto, será realizado um
grande evento de exposição dos produtos elaborados ao longo do ano pelos
jovens. 

Deixar um Comentário