31 jan
  • Por Administrador

União Planetária realiza caravana de direitos da pessoa idosa

Mesmo vivendo em um país que tem
envelhecido acima da média mundial e com os idosos representando 13% da
população do Brasil, os brasileiros ainda precisam aprender a envelhecer de
forma saudável, sustentável e conscientes de seus direitos. Pensando nisso, a
OSCIP União Planetária (UP) e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência
da República (SDH/PR), por meio do Núcleo de Enfretamento à Violência contra a
Pessoa Idosa (NEVPI), têm levado diversos atendimentos gratuitos a oito cidades
do Distrito Federal (DF) e entorno.    

 

São duas equipes, formadas por
psicólogos, terapeutas e advogados, que vão visitar, durante os meses de
janeiro e fevereiro, cidades como Taguatinga, Ceilândia, Itapoã e Planaltina. O
grupo vai atuar de terça a quinta-feira, levando atendimento jurídico e
psicológico gratuitos à população idosa. Além desses serviços, serão oferecidas
rodas de terapia comunitária e capacitação para cuidadores de idosos.

 

Nesses dois meses, a meta é atender
cerca de 350 idosos e conscientizar a sociedade como um todo para a prevenção e
enfrentamento à violação dos direitos da pessoa idosa. “O nosso foco é
ampliar o número de idosos assistidos, mas, sobretudo, levar um atendimento
humanizado a esse grupo, empoderá-los e informá-los acerca de seus direitos, e
chamar a atenção da sociedade para as diversas formas de violência sofridas por
eles”, reforça Danuse Queiroz, coordenadora do projeto.“ 

 

A comunidade Sol Nascente, maior
favela da América Latina, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), e a Vila Buritizinho, localizada em Sobradinho II, também
recebem a itinerância dos direitos do idoso.

 Em cada visita, os profissionais do
NEVPI vão esclarecer dúvidas do idoso e dar orientação jurídica em áreas como
previdenciário, família, trabalhista, dentre outras, além de encaminhar e
acompanhar cada caso junto às autoridades públicas. Para um dos advogados do
projeto, Lourival de Carvalho, o objetivo é ir além da assistência jurídica.
“As pessoas idosas precisam sair da condição de sujeitadas, onde muitas vezes
são colocadas pela própria sociedade, e passarem a ocupar o seu lugar legítimo
de sujeitos de direito. Elas falam, se comunicam de alguma forma, e sentem
necessidade de serem ouvidas em todos os lugares, tanto em casa como nos
espaços públicos”, disse. 

 

Paralelamente, será oferecido roda de terapia
comunitária e acompanhamento psicológico. O idoso não precisa se inscrever com
antecedência para participar das atividades ou para ser atendido pelos
profissionais, basta ir ou estar no local das intervenções.

Deixar um Comentário